A Fundação de Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) virtualizou o parque de servidores e reduziu em 90% a perda de dados. Vinculada à Secretaria Estadual de Planejamento e Desenvolvimento Regional do Estado de São Paulo, a Seade precisa armazenar e gerenciar de maneira ágil uma gama de dados, estudos, pesquisas e levantamentos importante para todo o estado de São Paulo.

Por ser uma entidade do setor público, no processo de licitação, que considerou aspectos como alta vencedora, representada pela revenda OS&T Informática.

De acordo com Vivaldo Conti, superintendente de TI do Seade, em 2010, a infraestrutura não dava conta da demanda recebida pela área de TI. Precisavam modernizar o ambiente de TI e a virtualização protagonizou a atualização do parque de equipamentos.

“O processo foi gradual, iniciado pela eliminação de máquinas obsoletas e não críticas, cerca de 15 servidores. Em 2011, totalizamos 30 servidores virtualizados, abrigados em apenas dois físicos”, diz, acrescentando que eles rodam diversos sistemas operacionais, entre eles Red Hat Enterprise, Windows 2000 Server, Windows 2003 Server, Windows 2008 Server e aplicações variadas.

Conti observa que tiveram o cuidado de iniciar a virtualização de aplicações não críticas como servidores de e-mail, internet, em plataforma Linux, e aplicativos Windows. “Agora, nos preparamos para virtualizar servidores de arquivo e de Business Intelligence, caracterizando nosso segundo ambiente de virtualização. Esperamos concluí-lo até o final deste ano”, diz.

Entre os benefícios que a nova infraestrutura virtualizada trouxe ao Seade, Conti destaca alta disponibilidade, independência de hardware e redução no custo de manutenção com as máquinas, dimunuição de espaço físico, melhor gerenciamento e redução do consumo de energia elétrica. “Antes, havia perda de dados. Depois do projeto, ela foi reduzida para 90%”.

Conti não descarta a possibilidade de virtualizar desktops daqui há um ano, quando deve ocorrer a renovação do parque de desktops. “Não estamos pensando nisso no momento, mas precisaremos modernizar o parque e se virtualização for interessante, poderemos avaliar.”

O investimento no primeiro ambiente virtual totalizou 80 mil reais, incluindo toda a infraestrutura, com fibra e dois servidores HP. “Em um ambiente tradicional, com 30 servidores, com certeza gastaríamos mais de 150 mil reais. E para o segundo ambiente, não precisaremos comprar mais servidores físicos, somente licenças.”